terça-feira, janeiro 29, 2013

Psycho Tramps brevemente no Barreiro !!!

sexta-feira, janeiro 25, 2013

Metal Punk de Qualidade !!!



12" dos English Dogs : 

01 - Ambassador Of Fear 02 - The Chase Is On 03 - Incisor 04 - Survival Of The Fittest

Amanhã concerto a não perder !!!


quinta-feira, janeiro 17, 2013

Festa Punk este sábado!

segunda-feira, janeiro 07, 2013

Feira do vinyl no Clube Ferroviário :


domingo, janeiro 06, 2013

Clockwork Boys na Antena 3


Próxima quarta -feira dia 9 de Janeiro ás 22horas sintonizem os vossos rádios na Antena 3, o radialista Henrique Amaro do programa Portugália esteve à conversa com os dois fundadores dos Clockwork Boys. Quem não puder ouvir na quarta-feira poderá ouvir no domingo seguinte dia 13 Janeiro ás 13horas enquanto prepara o almoço...

Iron Maiden em Portugal !!!


Ricky C Quartet com LP editado !!!




Banda que conta com antigos membros dos  Johnny Throttle lançou um LP excelente que podem adquirir através do site da banda.

 http://www.therickycquartet.com/

Eskizofrénicos a gravarem primeiro álbum.

Podem ouvir uma entrevista à banda nortenha no site do programa de rádio sinfonias de aço. 


Em breve mais novidades...

Encontro de hot rods em Faro !!!


Concerto em Fevereiro !!!


Livro sobre Vilar Mouros à venda !!!

Memórias dos festivais de Vilar de Mouros pela primeira vez em livro

Crédito: Agência LUSA 


Histórias inéditas, memórias que quase se perderam e imagens de concertos inesquecíveis estão reunidas no livro "Vilar de Mouros, 35 anos de festivais", de Fernando Zamith. É a primeira vez que a história de um evento de música rock é descrita e compilada numa obra, simultaneamente documental e de homenagem ao seu fundador, António Barge, falecido em 2002. Em declarações à Agência Lusa, o autor e jornalista explicou que o livro é dedicado a um homem "idealista e visionário" sem o qual o "festival de Vilar de Mouros não tinha existido".
Repartido por três grandes capítulos, o livro apresenta uma descrição cronológica de todos os festivais realizados na aldeia nortenha de Vilar de Mouros, começando por um festival infantil realizado em 1937. Para Fernando Zamith a melhor de todas a edições foi a de 1982 que, apesar da desorganização, considera ter sido um "verdadeiro happening", com nove dias seguidos de música, vividos com "grande intensidade".
Nos últimos anos, com o aparecimento de outros festivais com cartazes apelativos, como o Sudoeste e o de Paredes de Coura, Fernando Zamith acredita que muita gente vai a Vilar de Mouros por ser precisamente Vilar de Mouros e não tanto pelo cartaz.
Jornalista da Agência Lusa e professor na Universidade do Porto, Fernando Zamith revelou ainda que no futuro poderá ser criado um museu em Vilar de Mouros, embora o projecto esteja ainda no papel. Agência LUSA

Vilar de Mouros - Onde é que estava em 1971?
Crédito: Florbela Alves/Visão nº 541 - 17.Julho.2003

Os 35 anos do festival acabam de ser registados em livro. Tudo começou em 1968, a partir da carolice de um médico. Estórias do mais lendário festival português
Os Beatles bem podiam ter passado por cá. Corria o ano de 1971 e o médico António Barge, apaixonado pela música e pelo Minho, depois de, em 1968, ter conseguido organizar um festival de música popular que já prometia algo mais, teimava agora em querer levar à pequena aldeia de Vilar de Mouros algumas das melhores bandas internacionais de pop rock da época. Os Beatles ainda estavam na moda, mas acabaram por se separar pouco tempo antes de o médico os poder contratar. Não conseguiu o grupo de Liverpool, mas trouxe uma lista não menos arrojada: Elton John, Manfred Mann, Amália Rodrigues…
Muitas estórias fizeram a vida do primeiro grande festival do País. Agora, podem ser recordadas no livro Vilar de Mouros, 35 anos de Festivais (250 páginas, Edições Afrontamento). Resulta de um trabalho de pesquisa de Fernando Zamith, jornalista e filho da terra, que embora não tenha assistido à génese do festival, não tem perdido pitada, desde 1982. O livro começou a ser delineado durante a edição de 2002, como o próprio conta: «António Barge, o ‘inventor do festival’, tinha morrido meses antes e muitos outros protagonistas e figuras típicas da aldeia já cá não estavam; qualquer dia, pensava eu, já não haverá ninguém para relatar aquelas histórias que ficaram por contar.»
Uma das peças-chave foi Amélia Barge, viúva do médico e que o acompanhou na organização de todos os festivais. «Cheguei a emagrecer 15 quilos», recorda à VISÃO. «Entre armar e desarmar barracas, colaborei em tudo, sempre.» E o «sempre» começou em 1965/67 quando Barge promoveu um festival de folclore internacional. Em 1968, foi mais ousado e, do cartaz, faziam mesmo parte alguns nomes incómodos: Zeca Afonso, Carlos Paredes, a Banda da Guarda Nacional Republicana (cem elementos que ficaram alojados num convento de freiras). No desdobrável, Zeca Afonso era descrito como «o famoso criador de um novo estilo de canção portuguesa, inspirada na forma de balada». Simples, para evitar incómodos. Amélia Barge ainda recorda os avisos da mulher de Zeca: «Ela dizia--lhe: ‘Não cantes as canções proibidas que ainda vais preso.’ Mas o público pediu, e ele acabou por cantá-las.»
Elton à boleia de Isidro
Não havia managers, produtoras, catering, nem sequer hotéis. «Os músicos dormiam em casa de amigos e em Viana do Castelo. A porta de minha casa estava aberta, os nossos quartos eram para as visitas e nós dormíamos a monte, no sótão», desfia Amélia Barge. Mas o médico queria fazer uma coisa em grande: além de gostar de música, pretendia potenciar a região para o turismo e levar o nome de Vilar de Mouros a todo o País. Levou três anos a preparar o festival de 1971, o tal que trouxe a Portugal Elton John, na altura com 24 anos.
O Woodstock tinha acontecido em 1969 e Barge pensou: «E se se fizesse uma coisa para a juventude?», recorda a mulher. Além de Elton John, o médico foi buscar o sul--africano Manfred Mann, e conseguiu duas estreias de… obras de Joly Braga Santos e António Victorino d"Almeida.
«Centenas de jovens demandaram a aldeia. Foram de roupas coloridas e práticas, mochilas e sacos às costas. Lançaram-se para a estrada, contando com a boa-vontade dos automobilistas», relatavam os jornais. Até o próprio Elton John foi à boleia de Júlio Isidro para Viana do Castelo, onde ficou alojado. Manfred Mann e Elton John diziam que o público era «bem-comportado». Amélia Barge lembra-se de que, durante o concerto, o músico inglês lhe perguntou: «Acha que eles estão a gostar?» «Estão», garantiu a organizadora. «Mas eles não se manifestam?», questionou Elton John. «Não, cá em Portugal é assim», afiançou Amélia Barge.
Muitos prejuízos
O grande problema de António Barge foi sempre o financeiro. A vinda de Elton John custou 600 contos e os (prometidos) subsídios não passaram de promessas. O único dinheiro que recebeu foram 30 contos, oferecidos pelo Secretariado Nacional de Informação. «A RTP prometeu, mas… não deu. E o festival redundou num prejuízo, descomunal, de mil contos. «Não tivemos coragem de repetir», recorda Amélia Barge. Em 1975, Barge projectou um festival diferente no conteúdo – incluía cinema, teatro, pintura e escultura – mas as altas temperaturas políticas da altura fizeram abortar a ideia. Foi preciso esperar mais sete anos.
Em 1982, o presidente da Câmara de Caminha, Pita Guerreiro, resolve reeditar a festa (com Barge na organização) e, depois de constantes alterações do programa, Vilar de Mouros recebe, durante nove dias, os U2, Johnny Copeland, Erika Pluhar, Tom Robinson, entre outros. Voltaria a dar prejuízo. Em 1985, os Trovante e Emilio Cao encabeçam ali um «desconcertante» I Encontro de Música Popular. Segue-se um intervalo de dez anos. Até que o festival regressa, em 1996, agora altamente profissionalizado, promovido pela produtora Música no Coração, com o patrocínio da Super Bock.
De então para cá é o que se sabe: uma romaria certa, todos os Verões. E se, nos anos 70, o apoio logístico era quase inexistente – o público chegou a fugir para Caminha, à procura de comida, e os cafés da região fecharam «com medo da invasão» –, agora não falta nada. E, se faltar, os telemóveis ou as centenas de carros que se deslocam a Vilar de Mouros dão uma ajuda.

sábado, janeiro 05, 2013

Final das Votações

Antes de mais em nome do blogue e das bandas agradeço terem votado com tanto entusiasmo e terem participado.  Esta votação foi a votação dos leitores o que não quer isso significar que seja igual às minhas escolhas. 

A votação final dos leitores deste blogue elegeu o álbum LP  « A dor passa... o ódio fica » dos Clockwork Boys como o melhor lançamento do ano dentro do punk rock. 

Acredito que os videoclipes dos temas «Vida Maldita» e o homónimo «a dor passa... o ódio fica» tenham contribuído também para isso, pois nunca se viram videoclipes assim em Portugal.

Eu como editor deste blogue gostaria de destacar também nesta lista de lançamentos, o single 7" «Contra a Maré» da banda Facção Opposta e o single 7" «A canção do carrasco» dos Capitão Fantasma. São dois bons lançamentos e há qualidade acima da média na música deles.

Acho que 2012 foi um bom ano de colheita no que respeita a edições e todas ou quase todas estas bandas da lista me surpreenderam pela positiva. 

Num outro contexto, mais fora do punk underground, a grande surpresa para mim, foram mesmo os Black Bombaim com o duplo LP « Titans». 
Um registo bem acima da média, que conta com participações de músicos de craveira internacional, casos de Steve Mackay que gravou saxofone no álbum Fun House dos Stooges, ou de Adolfo Luxúria Canibal dos Mão Morta entre outros ilustres.

Destaco ainda o trabalho dos Sons of Misfortune, são uma banda com músicos experientes e um nome a seguir com atenção.

No fundo gostei de todos os trabalhos presentes nesta lista, uns mais que outros, mas todos me surpreenderam à sua maneira.  A escolha dos leitores foi um bocado diferente da que seria a minha mas há que a respeitar.

Resultados da Votação:
http://www.micropoll.com/a/MicroPollData?id=3725153&mode=html
Rock das Cadeias: Janeiro 2013
Get your own Box.net widget and share anywhere!